quinta-feira, 5 de julho de 2012

O Espetacular Homem Aranha

(The Amazing Spider Man, EUA, 2012) Direção: Marc Webb. Com Andrew Garfield, Emma Stone, Rhys Ifans, Denis Leary, Martin Sheen, Sally Field.



Por João Paulo Barreto


Dez anos após o lançamento do primeiro filme da, até então, bem intencionada franquia do aracnídeo bancada pelo diretor Sam Raimi, Marc Webb (500 com ela) lança sua versão para origem de um dos mais adorados heróis das histórias em quadrinhos Marvel.

O Espetacular Homem Aranha possui, sim, mais erros que acertos. No entanto, tais erros não tornam o filme ruim. Arrisco-me a dizer que esse reboot da franquia acaba sendo mais orgânico que a estreia do cabeça de teia em 2002. Mais fiel aos quadrinhos, uma vez que insere os personagens da forma correta cronologicamente (Gwen Stacy como a colega de classe de Peter no lugar de Mary Jane; as pistas plantadas para o futuro de Parker como fotógrafo do Clarim Diário), essa primeira parte de uma possível trilogia mantém o ritmo da história sem solavancos no desenvolvimento, o que é um acerto.

Emma Stone como Gwen Stacy: perfeita caracterização
Enquanto que no primeiro Homem Aranha parecia haver certa pressa para a apresentação da história ao inserir ainda no arco inicial figuras como o editor J.J. Jameson, dessa vez o roteirista James Vanderbilt (de Zodíaco) em parceria com Alvin Sargent (veterano que já havia participado do roteiro de outros dois filmes do herói) e Steve Kloves (da série Harry Potter) preferiu tornar a narrativa mais fluída, valorizando o vasto material que possui e sabendo utilizar com parcimônia os elementos de um universo tão amplo como o do aracnídeo.

Dessa forma, o filme prefere valorizar mais a relação de Peter (Andrew Garfield) com os pais, inserindo-os como personagens que fazem parte das motivações do rapaz, algo que foi ignorado na franquia de Raimi. Assim, quando o jovem descobre pontos em comum entre o trabalho de cientista do seu falecido pai com os estudos do Dr. Curt Connors (Rhys Ifans) voltados para crescimentos de membros amputados, ele decide procurar o pesquisador para desvendar esse mistério em sua família. E, claro, será no laboratório da Oscorp (pista para o vilão do segundo filme) que Parker será picado pela aranha modificada geneticamente e desenvolverá os poderes que o farão assumir-se como herói.

Rhys Ifans: boa escolha de ator que não se refletiu no vilão digital
Dessa vez, as teias não são orgânicas, algo que o filme desenvolve de forma interessante para diferenciar-se da trilogia anterior. As cenas em que Peter treina em um galpão usando seu skate e correntes para se pendurar fazem a história mais fiel à realidade, tornando mais fácil a identificação do espectador com o protagonista. Outro ponto de acerto é o modo como o roteiro insere a adaptação de Peter aos novos poderes. Em duas cenas repletas de boas gags visuais, vemos o jovem acordar tanto em um vagão de metrô ao ser abordado por uma gangue, quanto em seu quarto sem ter como controlar a própria força e os reflexos, algo bem diferente do modo narcisista como Raimi preferiu apresentar o Parker com poderes de Tobey Maguire.

Outro ponto positivo está na escolha de Andrew Garfield como protagonista. Mais carismático que seu antecessor, o jovem mantém um equilíbrio entre as cenas dramáticas que a vida trágica de seu personagem com o humor ácido e escapista que ele possui. Até mesmo a linguagem do adolescente é bem trabalhada. Repleta de gírias e tons de insegurança, as falas do Parker de Garfield são construídas de forma pertinente a um personagem que está lidando com muito mais que sua bagagem emocional pode suportar. E é no bom humor que ele foca sua saída.

Boa química em cena: Emma Stone e Andrew Garfield 
Com a agradável comédia romântica 500 dias com ela no currículo, era de se esperar que Webb trouxesse uma boa química ao romance entre o casal Peter e Gwen. Os diálogos de ambos nos momentos em que começam a criar certa intimidade são bem típicos da insegurança romântica dessa fase, tornando crível a construção da história dos dois. Porém, no mesmo quesito crível, não é em todos os aspectos que o diretor e roteiristas acertam. Apesar de se sair bem como o cientista Connors, Rhys Ifans viu a escolha do vilão Lagarto como antagonista do aracnídeo ser desperdiçada em uma caracterização digital falha, que não chega a causar a suposta repugnância que a criatura almeja passar, tornando o vilão caricato, sem o peso que o Dr. Octopus de Alfred Molina possuía no segundo filme de Raimi. E  a redenção do monstro não ajuda em nada.

Ainda nesse aspecto de mau desenvolvimento dos personagens, Martin Sheen e Sally Field fazem o que pode para trazer peso e carisma aos tios Ben e Mary, tutores de Peter Parker. No entanto, com o roteiro frouxo nesse âmbito da vida do futuro herói, nem mesmo o assassinato do homem que o criou é bem desenvolvido pelo trio de roteiristas, fazendo o acontecimento ter menos impacto que o merecido.

Como disse no começo do texto, o filme possui mais erros que acertos. Estes fazem sua parte e tornam essa reinauguração da franquia bem vinda. As cenas dos voos noturnos do aracnídeo por Nova York (algo salientado de modo excelente pela fotografia de John Schwartzman) e a previsão de ver na segunda parte dois um dos momentos mais emblemáticos dos quadrinhos (algo trágico envolvendo Gwen Stacy e o Duende Verde), torna O Espetacular Homem Aranha ainda mais emblemático. Nada mal após a nociva e repugnante terceira parte da franquia anterior.

Observação: Como já era de se esperar, a lenda Stan Lee faz sua ponta. A melhor de todas, friso. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário